Correio Interno

Correio Interno

Desabafos, escárnio, desaforos e coisas...

... porque, como dizia Albert Uderzo

"Os imbecis, possuem a imensa virtude de acreditar sempre em tudo o que pensam, em tudo o que dizem e em tudo o que escrevem."

As Cabeças de Hydra




As agências de Rating que hoje consideram Portugal como lixo económico, fazem parte da máquina trituradora e desenfreada, do Godzila sobrealimentado néscio e psicótico que o mundo embala há demasiado tempo, os EUA. Este espaço ocupado de gente foi fundado com a escumalha que por todos os motivos e mais um, fugia da Europa. Tomaram os seus terrenos em corridas de carroça em que valia tudo menos… não, valia mesmo tudo. Construíram as suas vidas sobre a destruição e aniquilação das gentes nativas. São os colonizadores mais bárbaros da história, rivalizando com os Hunos e os Mongóis. De bêbados, pistoleiros, jogadores e caçadores de índios, com leis mais básicas do que as da selva se fez a sua história até à “2ªGuerra Mundial”. Aqui esperaram pacientemente pelo seu momento e provocaram a sua participação, “deitando para o lixo” algumas centenas dos seus próprios militares, por uma questão de credibilidade e devagarinho começaram a ditar as regras… e a conceder empréstimos. Rapidamente, passaram dos maiores devedores aos maiores credores do mundo. Mas a Europa sempre muito à frente intelectualmente, conseguiu ultrapassar a guerra e unir-se – não necessariamente por esta ordem – e começar a caminhada para concretizar o sonho de De Gaulle, de unir a Europa, do Atlântico aos Urais e ainda juntar-lhe a união económica e monetária. O Euro começou por ser inofensivo e quase um upgrade do jogo da Bolsa e da Finança mundial, mas cresceu, implantou-se, solidificou e mostrou que o dólar tinha que fazer muito mais do que charme para se manter a moeda de referência do planeta, já que entretanto alguns dos grandes países pouco parceiros dos americanos, começaram a adoptar o euro como moeda de referência. Em 2008 nos EUA começou a brutal crise do imobiliário que se alastrou e foi responsável pelas crises económicas e financeiras não só americana, mas também europeias, que ainda hoje suportamos. E diz-se, (diz a Dagong, a maior agência de rating chinesa) que nessa altura, as tais agências de rating norte americanas ao recusarem-se a baixar radicalmente o rating dos EUA, para o seu então real valor, foram as principais causadoras do que se seguiu. Mas ainda hoje, ninguém parece incomodar-se muito com isso.

A paz podre financeira foi conseguida por lá, e o pus daquela ferida foi atirado para o caixote do lixo americano: o resto do mundo. Aparentemente recompostos, tinham um novo propósito: causar brechas ao edifício Euro para abalar a Europa, ou vice-versa, e já se punham a jeito os seus elos mais fracos, a Irlanda, a Grécia, Portugal e Espanha. (Não quero disfarçar a culpa devida aos governantes consecutivos destes países, que com as suas politicas lhes abriram caminho). Entretanto, a farsa petrodolar desmascara-se a olhos vistos e a China torna-se dona de uma muito grande parte da dívida dos EUA. Todas as vitórias históricas da história(?) dos EUA foram conseguidas por força da guerra e de guerras, quaisquer que sejam as armas utilizadas, desde as bélicas convencionais, às políticas, de intrusão em assuntos externos, de intrigas, de invasão e violação de soberania, e de mentiras, muitas mentiras. Todos os meios sempre se justificaram para atingir as superiores demandas, que no caso deles também é a vontade de Deus. Os americanos resolvem quase tudo ao tiro. Têm cerca de 300 mil soldados fora do seu território; as crianças matam crianças na escola, com as armas e munições que os pais têm em casa. Os veteranos de qualquer guerra, são heróis nacionais idolatrados e louvados “so help you god”,… muitos, não passam de assassinos encartados e abençoados, que se oferecem como voluntários para poderem ir dar tiros à vontade com fogo e alvos reais para países estrangeiros. Os europeus inventaram os Heróis, os americanos inventaram os Super-heróis, já que heróis são todos eles. Mas esta nação é um mau filme – em Nova Iorque, atirar-se de um edifício é punido com a pena de morte(???). Há estados onde com 16 anos se compra uma arma e é preciso ter 21 para beber uma cerveja num bar;  no Oregon é ilegal dizer obscenidades ao ouvido da parceira durante o acto sexual(???); nas suas próprias estatísticas, são os maiores consumidores de pornografia do mundo; o Ku Klux Klan existe e está de boa saúde, obrigado! São a última nação fascista do planeta, são o povo mais racista que há, são dos países ocidentais desenvolvidos o que mais desrespeita os direitos humanos; 36 dos 50 estados praticam a Pena de Morte, (mas há sempre um padre a abençoar o carrasco e o morto, antes e depois suponho); não respeitam os protocolos ecológicos, energéticos, de preservação da floresta, ou anti-minas pessoais…
E esta corja de analfabetos incultos e maioritariamente ignorantes a coberto de uma, duas, ou três agências de Notação Financeira, cabeças de uma Hydra despeitada; serventes de um sistema viciado, decide quanto vale o dinheiro que eu ganho? decide se eu posso ir para férias no meu carro para um hotel rural no Minho, se tenho que ir de comboio para a praia de Carcavelos, ou ficar em casa a ver o tempo passar?
A Europa não pode desistir das conquistas conseguidas com os seus séculos de história e cultura. A Europa é um exemplar caso, em que o todo vale mais do que a soma das partes. A Europa deve “encaminhar” os EUA para lugar que lhes é reservado, o de “croupier” vicioso, do jogo viciado – ganancioso, arrogante e insaciável… 




This Post Has 6 Comments

  1. Caro Fernando Gomes da Silva mais conhecido por (Anónimo disse) aplaudo com satisfação o seu texto. Ao trazer para para esta discussão a sagrada triologia americana mostra de uma forma séria o que de mais genuíno é a cultura americana. John Wayne retrata todos os secretários de estado americanos que fizeram guerra neste mundo, Tom Sawyer encarna um presidente como Obama que podia muito bem correr ao longo do rio Missisipi fazendo promesas de uma américa melhor cantando "Yes We Can". Aliás ele devia ser processado pois esta frase tem dono, é nem mais nem menos um engraxador da baixa de Chicago que um dia lhe engraxou os sapatos aquando era um simples senador do Illanois. O Indio é aquela personagem que presegue o sonho americano como o cavalo de John Wayne vai uma Pizza Hut. Eu também nunca vi com bons olhos essa relação entre estes dois rapazes, desconfiei sempre daqueles pulos de alegria , lembra-me as marchas dos movimentos gays com aqueles pulos de satisfação. Acho também fabuloso ter feito a ligação do eixo do Atlântico ao incluir Trichet que é um senhor que ficou muito chateado por não ter participado na triologia "Senhores dos Aneis" e por isso meteu-se dentro de uma torre de nome BCE controlando dali os seus Horks de nome Euros para não assustar as crianças. O Pai Tomás é aquele europeu sem emprego que teve que ir viver para uma cabana pois o banco tirou-lhe a casa… No fim disto tudo veio a Oprha que também é de Chicago e gosta do Tom Sawyer para abraçar as causas sociais , o que é um final fabuloso…

    Obrigado pela sua fábula e vamos marchar , marchar contra as Cabanas do Pai Tomás que insistem em crescer neste momento de crise do imobiliário.

    Saudações de Viriato e Afonso Henriques e Jerónimo de Sousa

    Abraço

  2. John Wayne, Tom Sawyer e o Índio Joe não diriam melhor. Ah, e a Oprha!

    A chapada sem luvas foi dada hoje a estes bandoleiros, gang de saloios norte-americados, por um jovem cuja idade remonta à era de Cristo, que dá pelo nome de Trichet.

    Chamou-os à razão e disse-lhes, que ou se deitam no lugar deles ou então acabam-se as mordomias europeias de encher constanteete os bolsos aos vilipendiadores filhos do Pai Tomás!

    Resta-me aguradr impacientememente pela ordem de reunir forças e marchasr marchar marchar!

    Até lá, o meu correio interno está lido, neste tema!

    Obrigado pela retórica!

    Saudações Lusas, Fernando Gomes da Silva!

  3. Caro Senhor Anónimo(Fernando Gomes da Silva). Eu considero este texto pró-americano uma vez que relata tudo o que os americanos fizeram , fazem e irão fazer no futuro. A precisão no relato leva-nos a pensar que o próprio autor viveu longas temporadas nos Estados mais fundamentalistas americanos. Senão vejamos a seguinte frase "bêbados, pistoleiros, jogadores e caçadores de índios" Está aqui retratada toda a sociedade americana num apologia deste caráter que faz da América um caso único no mundo…

  4. … Estou estupefacto! Onde é que isto é pró-americano???!!! Bem!
    A solução existe e não estamos perante problema seja ele de que orem for, temos a solução na mão, temos é que tirar as mãos dos tintins e arregaçar as mangas e trabalhar, deixar de proteger os nossos entes querido que só fazem quando nós deixamos, dirijome às nossas partes baixas, aos amercianos, escrotos do Mundo civilizado. Se andarmos com eles nas mãoe nunca teremos nada nosso. A solução está em mostrar-lhes que eles se quiserem mandar que mandem neles, deixem a Europa sossegada, n´os sabemos tomar onta de nós. Mas esta solução tem que passar or todos nós, pois todos nós pecamos em permitir que os USAs nos comessem a papinha na cabeça durante anos; quem são os américas para nos darem notas de risco, se eles são o maior risco que existe?
    Euorpeus, Tugueses, não permitam que os de fora nos derretam e nos façam cair mais uma vez na lenda do "não vales nada sem nós!", acreditemos que são eles que precisam na realidade de nós, dos europeus, acreditemos que vamos coseguir, mas para isso, a solução passa por união e por trabalho, coisa que durante muito tempo nós nos esquecemos de tentar perceber.
    É fácil, juntos conseguimos tudo, basta querer!
    Ah, o meu nome é Fernando Gomes da Silva!

  5. Considero este texto como o mais Pró-americano que li até hoje. Como é possível alguém escrever este texto de apoio á política americana?

  6. O que posso acrescentar, Eu, humilde europeu a este texto fabuloso que retrata a história do mundo nos últimos 200 anos? Apenas para que o guião fique completo, que foi toda uma corja de malfeitores, doentes mentais, fanáticos religiosos e afins… Foram expulsos da Europa, atravesaram o Atlântico com esperança que na sobrevivessem mas como tudo o que é ruím não morre espalharam-se como uma praga, com os seus hábitos e costumes e hoje á força das armas e da morte julgam-se policias do mundo…. Tenho dito….

Deixe o seu comentário

Close Menu